08h30 TEATRALIZAÇÃO DE HISTÓRIA

A Menina da Cabeça Quadrada conta a história de uma menina que era tão viciada em tecnologia, que um dia acordou com a cabeça quadrada. Emília Nuñez é escritora de livros infantis. Seus livros e projetos são focados na leitura compartilhada, principalmente com crianças de 0 a 10 anos. Idealizadora do Mãe que Lê, se destaca como defensora da leitura em família e na escola.

10h SHOW CONTO DE CASA

No Conto de Casa, ela convida a plateia a entrar na sua casa participando da montagem, cantando, sugerindo o que vai acontecer na história e até mesmo ajudando a cantora cozinhar. Carol Levy é cantora pernambucana e contadora de história.

14h CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS - CANELA FINA

Educação Musical, Psicologia da Música e Arte Terapia: Proporcionar ao público infantil músicas com arranjos próprios e instrumentações variadas, aperfeiçoando a percepção e apreciação musicais das crianças, e muitas outras coisas! Passeando por diversos estilos e com temas do universo infantil, o show apresenta músicas compostas pelos integrantes do grupo ou amigos e também versões de canções de domínio público

 
16h ESPETÁCULO SALTIMBANCOS

 

Narra a história cantada e contada por quatro animais que cansados dos maus tratos que recebiam dos patrões resolvem fugir para a cidade grande e montar um grupo musical.

09h BATE-PAPO 5: A PALAVRA COM AS MINA COM AS MINA DE PALAVRA

Mulheres negras de fibra e criatividade empreendedora, que se tornaram uma referência para jovens que se recusam a se submeter a rótulos. Lívia Suárez, Bell Rocha e  serão mediadas por Ítala Herta, co-fundadora do Vale do Dendê.

 

Uma das responsáveis pelo projeto Bike-Café-Poético, criado em 2015. Atualmente, o projeto se chama La Frida Bike Café e se tornou um movimento que une emancipação feminina e mobilidade. O La Frida Bike conquistou por dois anos consecutivos o Prêmio Mobilidade, em 2017 e 2018, e o apoio de instituições como o banco Itaú. Para rentabilizar o negócio e manter os projetos, o La Frida criou um centro cultural e a Oficina La Frida. A oficina capacitou e profissionalizou 20 mulheres em mecânica de bicicletas. O projeto também lançou duas linhas de bicicletas, a Carolina de Jesus e a Frida Kahlo.

 

Depois de passar por muita dificuldade para encontrar biquínis, a empresária Bell Rocha criou uma marca de moda praia aqui no Brasil para todos os tipos de corpos. No Instagram, seus seguidores podem conferir as peças e ainda ler mensagens sobre body positive.

 

Empreendedora social, palestrante e Produtora Cultural. Trabalha há mais de 10 anos com projetos de inovação social e cultura para artistas independentes, instituições públicas e privadas do Brasil. É pesquisadora e comunicadora independente da cultura negra e periférica. Itala é graduada em Comunicação Social com ênfase em Relações Públicas pela UNIFACS/LAUREATE.

14h BATE-PAPO 6 | É NA VOZ DA QUEBRADA QUE RELUZ A MINHA FORÇA

Poetas, repentistas e articuladores sociais nordestinos, reunidos para trazer o canto falado como matéria-prima dos seus trabalhos. Escritor e poeta, Sandro Sussuarana é um dos idealizadores do Sarau da Onça, RAPadura Xique-Chico é um artista cearense e a jovem poeta de Aracaju, Blenda Santos, serão mediados pelo poeta e arte-educador Evanilson Alves.

 

Um dos idealizadores do projeto Sarau da Onça, é produtor cultural e articulador de Jovens do bairro de Sussuarana. Foi um dos idealizadores do Projeto Perife’Art projeto realizado em 2008 no bairro de Sussuarana. Participa da organização da caminhada da Consciência Negra de Sussuarana desde 2008. Ensaia e coordena adolescentes de 7 a 15 de mais um Sarau intitulado Sarau na Laje. Participou da Formação de adolescentes e jovens negros em Brasilia, promovido pela UNICEF e a CEDECA, com intervenção poética e realização do Sarau.

Inspirado em ritmos de música e dança nordestinos como embolada, repente, coco, maracatu, capoeira, cantigas de roda, baião e forró. Além de ritmos urbanos como jazz, soul, funk e samba-rock, RAPadura começou a compor com apenas 14 anos, com os temas refletidos na saudade que sentia do Nordeste. A partir de então, tornou-se conhecido no país inteiro —  fato que fez ele vencer a categoria Grupo ou Artista Solo Norte/Nordeste, do Prêmio Hutúz de 2007. Dois anos depois foi escolhido no mesmo prêmio como um dos três melhores cantores/grupos das duas regiões na década.

 

É poeta, cantora e compositora natural de Aracaju (SE). Desenvolve um trabalho que denuncia violações aos direitos das mulheres negras, diante de um cenário de machismo e racismo estruturais. Já participou de diversos campeonatos de poesia e em 2018 foi destaque no SLAM Sergipe e classificada para a disputa nacional do Slam BR (Campeonato Brasileiro de Poesia Falada).

Idealizador do Sarau da Onça e do Grupo Ágape, é poeta, músico, articulador de juventude, professor da Fundação da Criança e do Adolescentes (Fundac), produtor cultural, e também escritor. Tem dois livros lançados, sendo eles: O Diferencial da Favela — Poesias Quebradas de Quebrada (2014) e A Poesia Cria Asas (2014). Participou do projeto Mediação de Literatura na pauta do #MusEuCurtoArte, promovido pela Fundação Cultural do Estado da Bahia (Funceb), em que Saraus das periferias de Salvador fizeram intercâmbio dias 13 e 27 de setembro de 2015, no Museu de Arte da Bahia (MAB).

17h APRESENTAÇÃO RapADURA
10h30 MESA 4: INTERVENÇÕES FEMININAS: O MEU LUGAR NAS PERIFERIAS DO MUNDO

Saber por onde circulam jovens escritoras do Norte-Nordeste que, em meio aos seus processos criativos, são envolvidas pela circunstância dos deslocamentos: geográfico, estético, literário. Vozes dissidentes que se impõem contra o estabelecido por ditames de sistemas excludentes, rasos, desprovidos de um olhar humanizado. Um encontro de Jarid Arraes com Paloma Franca Amorim, e mediado Milena Britto.

Cordelista e escritora, nasceu em Juazeiro do Norte, região do Cariri, interior do Ceará e atualmente vive em São Paulo capital. Desde a infância, teve forte contato com a literatura, sobretudo pela influência do seu avô e de seu pai, ambos cordelistas e xilogravadores. Publicou “Redemoinho em dia quente“ (2019), “Um buraco com meu nome“, (2018) “As Lendas de Dandara” (2016) e “Heroínas Negras Brasileiras em 15 cordéis“ (2017). É curadora do selo literário Ferina e criadora o Clube da Escrita Para Mulheres, além de assinar mais de 70 títulos publicados em Literatura de Cordel.

Nasceu em Belém do Pará e mora em São Paulo. É colunista do jornal paraense O liberal, no qual publica semanalmente crônicas e artigos de opinião. É autora do livro Eu Preferia ter Perdido um Olho (2017), publicado pela Alameda Casa Editorial. Em 2017, passou a fazer parte da equipe de colaboradores do caderno de cultura Ilustrada do jornal Folha de São Paulo. No mesmo ano, foi uma das convidadas da mesa “Páginas Anônimas – A Literatura que o Brasil Faz e que Você Desconhece”, mediada pelo cronista Antonio Prata, na 15ª edição da Festa Literária Internacional de Paraty (FLIP).

Possui pós-doutorado pela University Of California at Berkley (2019), Doutorado em Literatura e Cultura Brasileira pela Universidade Federal da Bahia (2003), mestrado em Literatura Brasileira pela UFBa (2001). Atua principalmente nos seguintes temas: relações de gênero, crítica literária, literatura de autoria feminina, literatura latina contemporânea, políticas públicas na área de leitura e literatura, identidades latinoamericanas, ensino de português e cultura brasileira para alunos estrangeiros.

14h30 ESQUENTA

Criados pelos atores Thiago Almasy e Sulivã Bispo, Júnior e Mainha são personagens que conquistaram o público baiano com uma mãe e seu filho acomodado, moradores da periferia. Desde que foram criados em 2016, eles alcançaram um efeito viral crescente em vídeos que, nas entrelinhas, falam de uma Bahia singular na expressão de sua gente, divertindo o público com a valorização da “forma de falar” do povo baiano. Quadro humorístico de curta duração inspirado no cotidiano dos moradores de Cajazeiras: as relações com a vizinhança, os termos populares específicos, os corres, os choques geracionais e outros temas sérios apresentados com o viés do humor. 

15h MESA 5: LINHAS DE AFETO NA ZONA DE BATALHA ZEFERINA

A mulher negra em destaque numa mesa composta por nomes exuberantes da literatura nacional. Três gerações de potencia amplificada — cada uma exibindo seus dons particulares de encantamento. Mel Duarte, Lívia Natália e Ryane Leão. Um momento dessa magnitude será mediado pela jornalista carioca Flávia Oliveira.

Escritora, poeta, slammer, produtora cultural e atua com literatura desde 2006. Publicou os livros Fragmentos Dispersos (2013), Negra Nua Crua (2016) e Negra Desnuda Cruda (2018). É integrante da coletiva Slam das Minas – SP, batalha de poesias de mulheres. Em 2016, Mel foi destaque no sarau de abertura da FLIP e foi a primeira mulher a vencer o Rio Poetry Slam (campeonato internacional de poesia), que acontece dentro da FLUP, no Rio de Janeiro. Por seis anos, Mel Duarte também integrou o coletivo Poetas Ambulantes, que distribui e declama poesias pelo transporte público.

Poeta nascida em Salvador, possui doutorado em Literatura pela Universidade Federal da Bahia, na qual é professora de teoria literária. Sua poesia é marcada pela voz feminina e afro-brasileira e sua estreia aconteceu em 2011, com Água Negra, livro contemplado pelo concurso literário do Banco Capital. Publicou ainda Correntezas e Outros Estudos Marinhos (2015), Água Negra e Outras Águas (2016), Sobejos do Mar (2017) e Dia Bonito pra Chover (2017). Este último recebeu o prêmio de melhor livro de poesia daquele ano, concedido pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA).

 

Nasceu em Cuiabá, Mato Grosso. Autodenominada como mulher preta, lésbica, poeta e professora cuiabana, estudou Letras na Universidade Federal de São Paulo e, a partir de 2008, começou a participar de saraus, slams e a divulgar seus textos em lambe-lambes, falando de afetos e ativismo em defesa dos direitos das mulheres negras. Seu livro Tudo nela brilha e queima (2017) foi publicado a partir de uma campanha de financiamento coletivo e o sucesso estrondoso transformou a autora num fenômeno literário. Atualmente, seu perfil Onde jazz meu coração, possui mais de 640 mil seguidores nas redes sociais.

Colunista do jornal O Globo e do programa CBN Rio, da rádio CBN. Comentarista do telejornal Estúdio i, do canal GloboNews. Apresenta a temporada 2017 do programa TED-Compartilhando Ideias, do canal Futura. Técnica em Estatística, pela Escola Nacional de Ciências Estatísticas (ENCE/IBGE); membro dos conselhos consultivos da Anistia Internacional Brasil; da ONG Uma Gota no Oceano e do Instituto Coca-Cola Brasil. Graduada em Jornalismo pela Universidade Federal Fluminense (UFF).

 
19h MESA 6: FRONTEIRAS DO CORPO, RECONFIGURAÇÕES DA ALMA

A diversidade e suas bandeiras, a desmistificação do sexo como assunto proibido, a leitura do mundo sob uma ótica mais ampliada. Estes serão alguns assuntos transversais necessários para compreender o nosso lugar em um mundo bipolar, que transita entre avanços e retrocessos. Regina Navarro Lins é psicanalista e escritora e conversa com Amara Moira, nascida em Campinas (SP) e a mediação será de Bárbara Souza, jornalista e professora.

Nascida em Campinas (SP), é transfeminista, escritora e professora de literatura. Doutorado em teoria literária pela Universidade Estadual de Campinas. Durante seu doutorado, iniciou seu processo de transição de gênero e, em seguida, iniciou atividade como prostituta e como escritora de um blog, no qual relatava suas experiências e de outras colegas na profissão. Esse período serviu de inspiração para que ela publicasse E se eu fosse puta (2016). Atualmente, a autora não trabalha mais como profissional do sexo, embora seja defensora da regulamentação da prostituição no Brasil.

Psicanalista e escritora. Também é palestrante em assuntos como relacionamentos afetivos e sexualidade. Autora de doze livros sobre relacionamento amoroso e sexual. Exerce ampla atuação na mídia, como colunista e consultora. Realiza palestras em todo o Brasil e trabalha no consultório particular com terapia individual e de casal. Foi professora da cadeira de Psicologia e Comunicação, do Departamento de Comunicação Social da PUC-Rio, quando criou a cadeira de Dinâmica de Grupo.

 

 

Jornalista e coordenadora dos cursos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda do Centro Univestário Social da Bahia. Já foi repórter e editora em diversos veículos de comunicação de Salvador. 

20h30 APRESENTAÇÃO LARISSA LUZ

Acaba de lançar seu primeiro disco em carreira solo: MunDança, que mistura fluidamente as vertentes da música negra do mundo. Com uma carreira extensa que vem de uma infância criativa e passeia pela Banda de rock Lucy in the sky, Grupo folclórico Interart e Banda Ara Ketu, Larissa vem acumulando experiências que resultam nesse novo álbum, que gerou o show homônimo que acabou de estrear e já passou por Salvador, Rio de janeiro e San Diego (Califórnia).

Espaço I (Tenda Cultural)

11h00 – Jarid Arraes e Paloma França

15h30 – Mel Duarte, Lívia Natália e Ryane Leão

19h00 – Amara Moira e Regina Navarro Lins

 

Espaço II (Arena Leia e Passe Adiante)

10h30 – Emília Nuñez

A Menina da Cabeça Quadrada, de Emilia Nunez, conta a história de uma menina que era tão viciada em tecnologia, que um dia acordou com a cabeça quadrada. Emília Nuñez é escritora de livros infantis. Seus livros e projetos são focados na leitura compartilhada, principalmente com crianças de 0 a 10 anos. Idealizadora do Mãe que Lê, se destaca como defensora da leitura em família e na escola.

 

14h00 – Anderson Shon

Escritor e professorlança Outro Poeta Crônico, compêndio de poesias que se propõe a ser uma continuação direta do seu primeiro livro – Um Poeta Crônico.

 

15h30 Anna Beatriz Novaes Santana

As Aventuras do Jacaré Astolfo, obra da autoria de Anna Beatriz Novaes Santana, 13 anos, obra publicada com o apoio do Edital de livros infantis UEFS.

 

08h30 às 17h

DEFENSORIA CIDADÃ

A Defensoria Pública do Estado da Bahia presta atendimento, orientação e encaminhamento jurídicos ao público, nas áreas de atuação da Instituição, em especial Direitos Humanos e Família, bem como a Ação Cidadã Sou Pai Responsável, com a realização de exames de DNA de forma gratuita

SINEMÓVEL

 

A Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (SETRE), através do Serviço de Intermediação para o trabalho (SINEBAHIA) oferece à população serviços como emissão de carteira de trabalho, intermediação de mão de obra; Atendimento de Intermediação de mão de obra com serviço de cadastro do trabalhado; Palestras de Qualificação (Orientação para o Trabalho e Empregabilidade).

PROCON MÓVEL

Serviço de atendimento móvel itinerante com o objetivo de levar todos os serviços que são prestados nos Postos fixos desde o atendimento preliminar, abertura de Carta de informação Preliminar, orientações e fornecimento de material educativo, entre outros. Realização da Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (SJDHDS), através da Superintendência de Proteção e Defesa do Consumido (PROCON).

CENTRO DE REFERÊNCIA MILTON SANTOS

A Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (SEPROMI), com a Unidade Móvel de Combate ao Racismo e à Intolerância Religiosa Nelson Mandela, oferece informações, atendimento preventivo e acolhimento de denúncias de violação de direitos nas esferas racial e religiosa.

UNIDADE MÓVEL DE ATENDIMENTO ÀS MULHERES


A Secretaria de Política para as Mulheres (SPM), com a Unidade Móvel, presta orientação às mulheres sobre violência doméstica e familiar, como e onde denunciar, assim como distribuição de materiais referentes à campanha Respeita as Mina de enfrentamento à violência contra as mulheres.

Governo do Estado da Bahia 
3ª Avenida, nº 390, Plataforma IV, 1º andar, CAB 
CEP 41.745-005 – Salvador – Bahia
Localização

Exerça sua cidadania. Fale com a Ouvidoria.